0

Qualidade do ar de nossas casas em risco…

256-1

ALERTA VERMELHO para quem usa e abusa da utilização de incensos.

Um novo estudo descobriu que a fumaça do incenso pode ser mais mutagénica, genotóxica e citotóxica que a fumaça do cigarro.
Tal significa que o incenso apresenta propriedades químicas que podem mudar o material genético, tal como o DNA em células e, portanto, causar mutações.
Continuar a ler

1

Lista dos telefones que emitem mais e menos radiação (Lista atualizada 2014)

image019

Leia com atenção esta notícia…

“Até há pouco tempo no site “Pijama Surf” (www.pijamasurf.com) partilhamos uma nota sobre a radiação eletromagnética que emitem os telemóveis, em particular os smartphones, cuja avançada tecnologia parece ter um custo para a nossa saúde. Até agora, sabe-se com certeza que a radiação tem efeitos sobre a vida, embora ainda se estude a precisão destas consequências. Algumas investigações encontram uma relação ente o uso de dispositivos eletrónicos e o desenvolvimento de tumores e doenças como o Alzheimer e inclusivamente a infertilidade.

Para fornecer mais informação sobre este assunto, divulgamos agora uma lista publicada pelo sitio CNET e atualizada a 9 de Junho de 2014, que mostra os modelos de telemóvel que emitem mais e menos radiação: 20 equipamentos para cada uma das categorias. Continuar a ler

0

Eletrosensibilidade: uma nova realidade…

ng4685203

Evidências das consequências da sobre(exposição) a campos eletromagnéticos nas sociedades contemporâneas. Não obstante o ainda desconhecimento desta realidade, em muitas países, esta patologia já começa a ser reconhecida e as pessoas afetadas pela mesma a serem ressarcidas, em parte, das suas consequências como prova esta noticia publicada no DN.

ALERGIA AO WI-FI, PROBLEMAS DE VISÃO, TROMBOSES: AS NOVAS DOENÇAS TECNOLÓGICAS

A hipersensibilidade eletromagnética, ou alergia à wireless, levou a que uma francesa se isolasse numa região sem eletricidade. O tribunal atribuiu-lhe um subsídio de 800 euros por mês. Continuar a ler

0

Proibição Mundial, por parte da ONU, do uso de pinturas com chumbo a partir de 2020

O embaixador da Boa Vontade do “Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)”, Don Cheadle, exorta os governos e cidadãos globais a se comprometerem a combater as alterações climáticas, proteger o ambiente e eliminar o chumbo nas pinturas.

A “Aliança Global para a Eliminação da tinta com chumbo”, co-liderada pelo “Programa das Nações Unidas para o Ambiente” (PNUA) e a Organização Mundial de Saúde (OMS), anunciaram a meta de eliminar a utilização de pintura com chumbo a partir de 2020. Tal facto foi anunciado perante uma multidão de centenas de milhares de pessoas, reunidas no National Mall em Washington DC nas comemorações do 45º aniversário do Dia da Terra. Continuar a ler

0

A radiação das tecnologias sem-fios é um carcinogéneo

 

imagem-3

Comunicação de imprensa a 03 de Fevereiro de 2015

A associação NACST – Associação para a segurança das tecnologias utilizadas pelas crianças – pôs em marcha uma campanha para conseguir apoios para tornar visível o impacto na saúde das tecnologias sem fios nas crianças e a necessidade de apostar e promover tecnologias mais saudáveis nas escolas.

Debaixo do lema “Turn It Off 4 Kids” esta associação lança uma campanha para recolha de assinaturas de apoio, enviando a carta que se encontra no seguinte link www.nacst.ohttps://www.youtube.com/watch?v=k0BWlvnBmIErg/turn-it-off-4-kids-letter.html Continuar a ler

0

Devemos apagar o wi-fi de noite?

wiOs cientistas invocam o princípio de precaução para as radiações do telemóvel ou do router; alguns exigem a sua retirada das escolas.

A questão intriga e preocupa especialmente os pais: é conveniente apagar a wi-fi e os telemóveis quando não se vão utilizar, para evitar a acumulação de radiações? Os cientistas não se põem muito de acordo sobre se existem evidências suficientes para estabelecer uma relação causa-efeito a curto prazo, por exposição às chamadas radiações electromagnéticas não ionizantes (Remni).

Mas os cientistas coincidem quanto ao facto de não existirem estudos que abordem e aclarem os efeitos a largo prazo da acumulação no organismo, ainda que os indícios não sejam satisfatórios. Perante esta falta de informação, a maioria dos especialistas invocam o principio de precaução e recomendam a desconexão nocturna destas redes até que a ciência confirme ou descarte eventuais problemas a longo prazo. Continuar a ler