0

O impacto dos edifícios no desempenho cognitivo

Captura de ecrã 2016-09-3, às 13.36.50.png

ESTUDO DEMONSTRA O IMPACTO QUE A QUALIDADE DO AR INTERIOR, EM ESCRITÓRIOS, TEM NO DESEMPENHO CEREBRAL/COGNITIVO

O ambiente interior em que trabalhamos diariamente, durante vários anos, desempenha um papel critico na nossa saúde e bem-estar. Na verdade, gastamos cerca de 90% do nosso tempo “enclausurados” dentro de quatro paredes sendo que os ambientes fechados podem influenciar, dependendo das condições que apresentam, positiva ou negativamente a saúde dos seus utilizadores.

Na verdade a qualidade do ar interior, bem como os elevados padrões energético-ambientais dos edifícios, ambientes sãos e em equilíbrio com a natureza são alguns dos pilares do nosso bem-estar habitacional e que a Habitat Saudável® defende nos seus projetos com vista à melhoria da saúde e bem-estar dos seus utilizadores.

Continuar a ler

0

Mais uma evidência dos benefícios, de viver perto, de áreas verdes…

3048572-inline-i-2-living-near-more-trees-makes-you-feel-seven-years-younger-and-richer

VIVER PERTO DE ÁRVORES FAZ COM QUE AS PESSOAS SE SINTAM SETE ANOS MAIS NOVAS

Quer sentir-se mais saudável? Então viva num bairro rodeado de espaços verdes.

Um novo estudo descobriu que quem vive numa rua com 10 ou mais árvores relativamente à média (tanto na rua como nas jardins das habitações das pessoas) pode fazer com que uma pessoa se sinta sete anos mais jovem. Continuar a ler

1

O ar das cidades| habitações é tóxico…

 

Captura de ecrã 2015-05-27, às 13.43.36

Segundo a OMS, mais de sete milhões de pessoas morrem por ano devido à contaminação do ar urbano e do interior dos edifícios.

Em Março de 2014 a OMS informou que mais de sete milhões de pessoas morrem por ano devido à contaminação do ar urbano e do interior dos edifícios. (230.000 na Europa, onde a morte por acidentes de tráfico ronda os 20.000).

A OMS denuncia que se trata do maior risco ambiental sobre a saúde. Por outro lado, a percepção geral contradiz tal sentença por falta de hábito, falta de informação e porque os nossos sentimentos não o percebem (não se cheira, nem se vê). A OMS reuniu um grande número de especialistas para desenvolver o programa chamado “Global Burdem of Disease”, que conclui que a contaminação do interior dos edifícios é apenas o quarto fator de risco previsível, atrás da hipertensão arterial, do tabaco e do álcool, enquanto que a contaminação particulada das cidades é o nono, à frente da falta de exercício e do colesterol. Continuar a ler

0

Hortas comunitárias – Sustentabilidade Urbana

hortaess

JÁ IMAGINOU EM PLANTAR UMA HORTA NO SEU PRÉDIO E/OU HABITAÇÃO?

TAL É POSSÍVEL E MUITO SIMPLES. CASO QUEIRA CONCRETIZAR ESTA IDEIA E NÃO SAIBA COMO, A “HABITAT SAUDÁVEL” AJUDA-O A CONCRETIZAR ESTE SONHO… E DESSA FORMA TERÁ, SEMPRE, EM SUA CASA PRODUTOS NATURAIS, CONTRIBUINDO TAMBÉM PARA UM MUNDO MAIS SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL.

A imagem acima é do prestigiado fotógrafo e ambientalista francês Yann Arthus-Bertrand, (autor do Documentário “Home – O Mundo é a nossa Casa”) o qual captou uma fotografia na Avenida Crozet, em Genebra (Suíça), onde é possível observar a existência de várias hortas urbanas comunitárias. Continuar a ler

0

“Erin Brockovich” – um filme para ver e rever…

erin_brockovich_xlg

Veja este filme, o qual retrata uma história verídica em que uma grande empresa fazia coacção sob os moradores vizinhos à fábrica para que estes vendessem as suas casas depois de tê-los, sem que eles soubessem, infectado com um elemento químico extremamente inapropriado para o contacto humano.

Este filme mostra um olhar diferente e de que forma o espaço em que vivemos nos pode afectar, nomeadamente a questão da contaminação da água, um dos itens analisados pela Geobiologia. Continuar a ler

0

Viver perto de auto-estradas é um risco para a pressão arterial

A IMPORTÂNCIA DO AMBIENTE EM QUE VIVEMOS SOBRE A NOSSA SAÚDE, BEM-ESTAR E FELICIDADE

33 TjEyMDEwOTIwNC5qcGc=

Viver perto de uma auto-estrada pode aumentar o risco de hipertensão arterial, de acordo com um estudo publicado pelo “Jornal of the American Heartn Association”. No estudo analisaram-se mais de 5000 mulheres pós-menopáusicas, as que viviam a uma distância máxima de 100 metros de uma estrada com muito tráfico, sendo que estas apresentam um risco 22% maior de contrair hipertensão do que as mulheres que viviam a pelo menos 800 metros de distância.

Continuar a ler

0

Copenhaga torna os telhados verdes obrigatórios

techos_verdes_azoteas_copenhague_dinamarca

A Cidade de Copenhaga une-se a Toronto como a segunda cidade que aprova uma lei que requererá que todos os telhados novos da cidade tenham algum tipo de vegetação, num esforço de combate à contaminação ambiental. A cidade espera que a cada ano sejam cobertos 5 mil metros quadrados.

No momento a cidade tem 20 mil metros quadrados de telhados. Para 2025, a meta é ser neutral em termos de carbono. Sem dúvida que a Escandinávia é uma zona pioneira na Sustentabilidade.

Toronto implementou já uma medida semelhante, observando-se que 21% da sua superfície é composta por telhados, existindo também a possibilidade crescente de instaurar novas áreas verdes, nestas áreas, dentro da verticalização urbana.

Os benefícios dos telhados verdes são notáveis, já que absorvem até 80% da chuva, ajudando a reduzir os problemas de inundação produzidos pelas tempestades. Ajudam a reduzir as temperaturas urbanas (efeito “ilha de calor”), protegem a edificação dos raios ultravioleta, contribuem para a filtração de poluentes e de dióxido de carbono, ajudam a isolar a acústica de um edifício, bem como de mudanças bruscas de temperatura, para além de produzir um diferencial estético e ambiental na edificação.

SAIBA MAIS EM:

www.archdaily.com.br/br/627595/um-teto-verde-a-cada-edificio-a-politica-de-copenhague-para-eliminar-as-emissoes-de-carbono-ate-2025

Vídeo
0

Documentário Home

10250320_252607241593194_4790822804019144433_n

Yann Arthus-Bertrand leva-nos numa viagem original à volta da Terra, para que possamos contemplá-la, entendê-la.

HOME” ajuda-nos a perceber a nossa relação com o nosso planeta. São revelados, em simultâneo, as preciosidades que ela nos oferece e as marcas que deixamos para trás, com um único objectivo: encorajar-nos a proteger o mundo. Este filme é um livro de viagens feito apenas com fotografias de paisagens aéreas. Do céu, podemos observar as correntes de água, as várias direcções dos caminhos, podemos compreender uma situação complexa com um simples olhar, sem recorrer a qualquer explicação. Como dizia Archimedes, “Dá-me um ponto de apoio e eu elevarei o mundo”. No nosso caso, aquele “ponto de apoio” é o nosso olhar.

Este filme incita a uma nova consciência. De facto, à medida que nos levantamos no ar, vemos o nosso mundo de uma maneira diferente, de uma forma como nunca experienciámos. “HOME” convida-nos a parar por um momento de modo a olharmos para o nosso planeta e percebermos como tratamos a sua riqueza e a sua beleza.