0

O impacto dos edifícios no desempenho cognitivo

Captura de ecrã 2016-09-3, às 13.36.50.png

ESTUDO DEMONSTRA O IMPACTO QUE A QUALIDADE DO AR INTERIOR, EM ESCRITÓRIOS, TEM NO DESEMPENHO CEREBRAL/COGNITIVO

O ambiente interior em que trabalhamos diariamente, durante vários anos, desempenha um papel critico na nossa saúde e bem-estar. Na verdade, gastamos cerca de 90% do nosso tempo “enclausurados” dentro de quatro paredes sendo que os ambientes fechados podem influenciar, dependendo das condições que apresentam, positiva ou negativamente a saúde dos seus utilizadores.

Na verdade a qualidade do ar interior, bem como os elevados padrões energético-ambientais dos edifícios, ambientes sãos e em equilíbrio com a natureza são alguns dos pilares do nosso bem-estar habitacional e que a Habitat Saudável® defende nos seus projetos com vista à melhoria da saúde e bem-estar dos seus utilizadores.

Continuar a ler

0

Mais uma evidência dos benefícios, de viver perto, de áreas verdes…

3048572-inline-i-2-living-near-more-trees-makes-you-feel-seven-years-younger-and-richer

VIVER PERTO DE ÁRVORES FAZ COM QUE AS PESSOAS SE SINTAM SETE ANOS MAIS NOVAS

Quer sentir-se mais saudável? Então viva num bairro rodeado de espaços verdes.

Um novo estudo descobriu que quem vive numa rua com 10 ou mais árvores relativamente à média (tanto na rua como nas jardins das habitações das pessoas) pode fazer com que uma pessoa se sinta sete anos mais jovem. Continuar a ler

1

O ar das cidades| habitações é tóxico…

 

Captura de ecrã 2015-05-27, às 13.43.36

Segundo a OMS, mais de sete milhões de pessoas morrem por ano devido à contaminação do ar urbano e do interior dos edifícios.

Em Março de 2014 a OMS informou que mais de sete milhões de pessoas morrem por ano devido à contaminação do ar urbano e do interior dos edifícios. (230.000 na Europa, onde a morte por acidentes de tráfico ronda os 20.000).

A OMS denuncia que se trata do maior risco ambiental sobre a saúde. Por outro lado, a percepção geral contradiz tal sentença por falta de hábito, falta de informação e porque os nossos sentimentos não o percebem (não se cheira, nem se vê). A OMS reuniu um grande número de especialistas para desenvolver o programa chamado “Global Burdem of Disease”, que conclui que a contaminação do interior dos edifícios é apenas o quarto fator de risco previsível, atrás da hipertensão arterial, do tabaco e do álcool, enquanto que a contaminação particulada das cidades é o nono, à frente da falta de exercício e do colesterol. Continuar a ler

0

Hortas comunitárias – Sustentabilidade Urbana

hortaess

JÁ IMAGINOU EM PLANTAR UMA HORTA NO SEU PRÉDIO E/OU HABITAÇÃO?

TAL É POSSÍVEL E MUITO SIMPLES. CASO QUEIRA CONCRETIZAR ESTA IDEIA E NÃO SAIBA COMO, A “HABITAT SAUDÁVEL” AJUDA-O A CONCRETIZAR ESTE SONHO… E DESSA FORMA TERÁ, SEMPRE, EM SUA CASA PRODUTOS NATURAIS, CONTRIBUINDO TAMBÉM PARA UM MUNDO MAIS SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL.

A imagem acima é do prestigiado fotógrafo e ambientalista francês Yann Arthus-Bertrand, (autor do Documentário “Home – O Mundo é a nossa Casa”) o qual captou uma fotografia na Avenida Crozet, em Genebra (Suíça), onde é possível observar a existência de várias hortas urbanas comunitárias. Continuar a ler

0

“Erin Brockovich” – um filme para ver e rever…

erin_brockovich_xlg

Veja este filme, o qual retrata uma história verídica em que uma grande empresa fazia coacção sob os moradores vizinhos à fábrica para que estes vendessem as suas casas depois de tê-los, sem que eles soubessem, infectado com um elemento químico extremamente inapropriado para o contacto humano.

Este filme mostra um olhar diferente e de que forma o espaço em que vivemos nos pode afectar, nomeadamente a questão da contaminação da água, um dos itens analisados pela Geobiologia. Continuar a ler

0

Viver perto de auto-estradas é um risco para a pressão arterial

A IMPORTÂNCIA DO AMBIENTE EM QUE VIVEMOS SOBRE A NOSSA SAÚDE, BEM-ESTAR E FELICIDADE

33 TjEyMDEwOTIwNC5qcGc=

Viver perto de uma auto-estrada pode aumentar o risco de hipertensão arterial, de acordo com um estudo publicado pelo “Jornal of the American Heartn Association”. No estudo analisaram-se mais de 5000 mulheres pós-menopáusicas, as que viviam a uma distância máxima de 100 metros de uma estrada com muito tráfico, sendo que estas apresentam um risco 22% maior de contrair hipertensão do que as mulheres que viviam a pelo menos 800 metros de distância.

Continuar a ler

0

Copenhaga torna os telhados verdes obrigatórios

techos_verdes_azoteas_copenhague_dinamarca

A Cidade de Copenhaga une-se a Toronto como a segunda cidade que aprova uma lei que requererá que todos os telhados novos da cidade tenham algum tipo de vegetação, num esforço de combate à contaminação ambiental. A cidade espera que a cada ano sejam cobertos 5 mil metros quadrados.

No momento a cidade tem 20 mil metros quadrados de telhados. Para 2025, a meta é ser neutral em termos de carbono. Sem dúvida que a Escandinávia é uma zona pioneira na Sustentabilidade.

Toronto implementou já uma medida semelhante, observando-se que 21% da sua superfície é composta por telhados, existindo também a possibilidade crescente de instaurar novas áreas verdes, nestas áreas, dentro da verticalização urbana.

Os benefícios dos telhados verdes são notáveis, já que absorvem até 80% da chuva, ajudando a reduzir os problemas de inundação produzidos pelas tempestades. Ajudam a reduzir as temperaturas urbanas (efeito “ilha de calor”), protegem a edificação dos raios ultravioleta, contribuem para a filtração de poluentes e de dióxido de carbono, ajudam a isolar a acústica de um edifício, bem como de mudanças bruscas de temperatura, para além de produzir um diferencial estético e ambiental na edificação.

SAIBA MAIS EM:

www.archdaily.com.br/br/627595/um-teto-verde-a-cada-edificio-a-politica-de-copenhague-para-eliminar-as-emissoes-de-carbono-ate-2025